14 de novembro de 2018

EM DEFESA DA TRADIÇÃO TAUROMÁQUICA

SÓ EM CERTO SENTIDO É QUE SOU CONTRA AS TOURADAS.  POR ISSO, VENHO AQUI SUGERIR ALGUMAS INOVAÇÕES, NO SENTIDO DE AS TORNAR SOCIALMENTE INTEGRÁVEIS.

bullfighting_in_10_lessons_317495

1. Mudar a música - o paso-doble é uma merda.


2. Acabar com as ferroadas no touro - em vez disso, o cavaleiro aproxima-se do touro e cola-lhe um post-it no lombo.


3. As pegas de caras devem continuar, mas deve ser abolida a rabejação (há que evitar ferir o animal no seu brio e virilidade). Se o rabejador continuar a prevaricar, deve-lhe ser atribuído castigo igual.

4. Acabar com todo e qualquer sofrimento do animal (inclusive o de natureza sentimental) e privilegiar atitudes, na arena, que o façam rir e divertir-se.


5. No final da corrida, toureiros, cavaleiros. vacas, cavalos, músicos e touros devem confraternizar amigavelmente na arena, num jantar vegan. O touro deve ir para casa à noite e receber uma pensão vitalícia em géneros (beterrabas e erva tenra) e um harém de chocas, até à sua morte por velhice.

Só nestes termos aceito a permanência da tradição tauromáquica em Portugal.

(Imagem daqui)

27 de outubro de 2018

O Cadete Schweick na Revolução Encravada

thUIEFFNNBTinham decorrido já dois meses sobre a Revolução dos Cravos, quando Schweick foi convocado por um clarim para uma instrução noturna na Tapada. Nunca como então o Cadete Schweick se apercebera tão ruidosamente de como é lenta a mudança das instituições. Dois meses deveriam ser mais que suficientes para que a tropa já tivesse absorvido o programa das Forças Armadas, a Democracia plena, o fim da guerra, da instrução e das paradas. Tudo fazia supor que, depois daquela data amorosa, os campos de cravos ditariam todos os momentos da vida militar. As namoradas poderiam ir dormir nas casernas, haveria colchas de seda e baralhos de cartas sobre mesinhas de cabeceira em mogno. Os pratos de lata seriam substituídos por outros de porcelana finíssima, bordejados de flores, com cinco quinas no centro. O lato do vinho canforado seria agora uma taça de cristal, de pé mais alto que o tacão das beldades, por onde escorreria o deleitoso espumante nacional da Raposeira.

Às duas da madrugada estava tudo formado na parada, cantil, bornal e a velha mochila ensebada que já tinha duas comissões no ultramar e retornava sempre ao Puto, para acompanhar o próximo Asp Of Mil até às picadas de Moçambique ou da Guiné. Ombro armas ao Comandante da Companhia e o pelotão de Schweick, comandado pelo Tenente Valadino, deslizou ensonado até se perder no matagal.

Às três, Schweick já rastejava num rio de merda, algodão no nariz, a farda lodacenta, a cara maquilhada de tinta preta, granadas rebentando sobre as pontes, ouvidos a zunir, bala real sobre as cabeças, trinchando os arbustos da outra margem.

Colado ao lodo, cansado do interminável rastejar, Schweick alçou o rabo um pouco, até quase à linha do fogo e ouviu o grito rouco de um sargento miliciano “ Baixe o rabo, camarada, ou quer ser derretido com uma rajada? Parece parvo o Amélia!” Acto contínuo, um silvo quase imperceptível picou-o no cu como uma melga gigante. Outro silvo, outra picada no traseiro. Levou a mão enlameada à nádega e apalpou um líquido quente e espesso. Sangue. Cheirou a mão. Era sangue.

Logo agora que se abria um novo mundo cheio de promessas e de algumas verdades, que tinham acabado em definitivo os pesadelos que vinha sofrendo desde 61, logo agora, no início do renascimento, o Cadete de Abril, que passara a madrugada de 24 para 25 ao relento, formado num pelotão de faz-de-conta por mais de quatro horas, ali numa travessa ao Largo do Carmo, com uma G3 descarregada entre os braços pendentes, ele, um cadete de Abril, ali a fazer número, elemento de rectaguarda de uma revolução que estava a acontecer ali perto, de cuja etiologia permanecia ignorante mas que supunha coisa grande e boa, ele, anónimo para o comando operacional mas famoso para si próprio, estava ali a esvair-se em sangue, na mais estúpida e inopinada morte que um herói poderia desejar. Logo agora, uma morte ridícula, ignominiosa. Grande galo.

Continuava vivo, no entanto. Arrastou-se até uma zona mais seca e voltou a apalpar o traseiro. Hum, praticamente seco. Que diabo o teria ferido? Carregou fundo, como à procura de um calibre 9 ou algo assim. Não. Eram duas picadas superficiais, praticamente indolores, armamento desconhecido da tropa, agulhas de tricotar, alfinetes de cabeça, zarabatanas, fisgas disparando arames, dispositivo extraterrestre, quem sabe!

De manhã, Schweick queixou-se a um camarada. O elemento olhou o traseiro de Schweick, introduziu dois dedos nos estranhíssimos buracos e, com Schweick mais acabrunhado do que quando, 30 anos depois, foi submetido a um toque rectal, recomendou a descida à enfermaria,

“Está aqui um corpo estranho, cadete. Está perto, vou remover. Caramba, é um chumbo de uma espingarda de pressão de ar! Alguém lhe deu um tiro de Flover na instrução,”

“Dois, dois tiros!” – disse o cadete – “Com um intervalo de alguns segundos.”

Como é que um herói de Abril, enfim, um semi-heroi de Abril, aprende a lidar com este novo item? Decerto, um tiro de HK21 seria honroso, embora um pouco mais doloroso. Um tiro de pressão de ar era insultuoso demais…

“Vou-lhe pôr aqui um pouco de álcool e um penso. Recomendo-lhe ministrar mais algum álcool por via oral, umas cachaças, por exemplo. Amanhã estará bom”. “Obrigado, doutor”.

De facto, dia seguinte, Schweick já nem sentia sequer um leve ardor. Levantou-se e sentou-se e formou na parada e carregou a G3 e bebeu a cânfora do costume, na costumeira lata, e dormiu na sua enxerga e esqueceu os tiros, e teve o seu próprio pelotão que apresentou regularmente ao Comandante de Companhia, e esqueceu a cama de dossel com criado-mudo em mogno e esqueceu a visita da namorada ao quartel e esqueceu, sobretudo, a revolução dos cravos, para ele eternamente uma revolução encravada…

Mas quem diabo teria ousado expedir uma chumbada de matar pardais a um cadete de Abril? Quem?

Ah, Schweick! Ah, portugueses!

28 de julho de 2018

O Grande Romance Universal

http://www.dreamstime.com/royalty-free-stock-photo-big-thick-book-image12186975Ontem acordei pensando que deveríamos fazer alguma coisa para proteger a humanidade das obras de arte, pelo menos das obras literárias que eu compro nos correios, quando lá vou pagar as portagens.

Hoje, pelo contrário, despertei com a ideia fixa de que não posso defraudar a humanidade inteira, escondendo-lhe o grande romance cíclico que trago na cabeça há, pelo menos, meio século. Pensei ainda que talvez ainda tenha tempo para o completar, se trabalhar com afinco. E, mesmo que não o consiga completar, permanecerá na civilização uma obra incompleta que, por essa mesma razão, será muito mais mítica e permitirá que as criancinhas das escolas façam o exercício recorrente de tentar completá-la.

Nesta disposição de ânimo, pensei logo na tasca do Frajuca, onde me sentaria tranquilamente para escrever o meu romance. Coloquei 80 cêntimos no porta-moedas para uma bica e, um dia não são dias, uma extravagância de mais dois euros e cinquenta, para o caso de me empolgar com a escrita e tiver que comer um bolo ou um pastel de bacalhau. Ponderei também o risco de escrever um romance em público, visto que, por vezes, os autores, quando se embrenham na obra literária, esquecem onde estão e babam-se…

Cheguei, munido da minha tablete e escrevi, no topo da folha electrónica, o título: “Nunca é Tarde para Amar”. Olhei-o de um lado, do outro e de frente e vi que tinha um ar de coisa extraordinariamente original e inteligente. Fiquei muito feliz e traguei o primeiro gole. Estava insípido, ao contrário do meu título.

Como sei muito bem que o título de um texto é a última coisa a escrever, vi-me impossibilidade de escrever mais fosse o que fosse. De certo modo, fica para a humanidade a tal obra incompleta, soberba e mítica. Acho eu…

19 de julho de 2018

Na minha aldeia


Na minha aldeia

Todos os dias o sino chora.

É sempre assim, quando o verão se esconde.

Ah Velhos, ah Portugueses,

Morreis do baço e do infortúnio

A cada fim de verão.

Na minha aldeia a morte é um tanger de sino

(Carpideira de bronze, seráfica, fria…)


th


Imagem daqui

9 de julho de 2018

o fim da internet e a educação para essa coisa da produção de conteúdos

Tenho lido e ouvido por aí, em vários e conceituados areópagos, mesmo aqueles que se reclamam da democracia plena, que talvez esteja próximo o fim da internet, pelo menos no paradigma em que hoje a conhecemos. Razão principal: a barafunda em que a rede se tem vindo a transformar, pelo menos a partir da última década. Os sábios sabem (por isso são sábios) definir “barafunda” melhor que eu. Portanto, vou-lhes dar a palavra: “ A Internet é o sonho de qualquer pensamento livre. E também o seu pesadelo. O relativismo reinante, declarando de igual modo todas as opiniões como sendo verdades intocáveis, por mais falhas de credibilidade que sejam e por mais que se faça displicentemente uma amálgama das verdades relativamente verdadeiras e dos seus sofismas não pode deixar de confundir os pobres leitores da rede mundial.  Este estado de coisas, acrescido da total ausência de regras e de respeito pela propriedade intelectual, pela compostura e pelo state-of-the-art do momento civilizacional que vivemos, contribuirão por certo para a desinformação, intoxicação e alienação dos povos que a ela sistematicamente recorrem .” – joao de miranda maranhão – inconformista, gandarês e sábio

Humm… Enfim, todos sabemos que a ausência de censura é uma chatice, sobretudo quando permite proliferar ideologias e comportamentos que não são os nossos. Não consigo entender por que tanta gente acha que eu estou errado, quando eu próprio (e não um qualquer) acredito estar certo.

Gosto da internet como ela é: sublime e medíocre, cortês  e destemperada, morna e agressiva, sem censura prévia nem póstuma. Gosto que ela seja uma vagabunda ao serviço de todos, mesmo daqueles que escrevem “abri-mos” e “Françês”.  Custa muito, lá isso custa, mas a nossa generosidade é imensa, laicamos tudo e só mais tarde, ao deitar, arrancamos os cabelos que ainda temos.

Outra das razões pelas quais já se vai pensando em pôr fim a isto é o descaramento com que publicamos como nossas coisas que um outro qualquer cretino inventou. Nunca referimos o autor por uma das duas razões, ou por ambas, nos casos mais renitentes: 1- Não sabemos quem foi que disse ou escreveu aquilo que achámos fabuloso, apesar de nem ter ficado perto. 2- Até sabemos quem foi (foi um tipo genial que aparece nas revistas, lutou contra qualquer coisa ou a favor de qualquer coisa), mas pode ser que os outros não saibam e aí os louros caem sobre as nossas cãs. (Hummm…)

Se a internet não consegue barrar a escrita aos medíocres, aos parvinhos e a todos os que possuem gostos duvidosos sobre música, literatura e paisagismo, compete, obviamente, a nós ensinar essas pobres criaturas a dominar os saberes e os conceitos de que nós há muito desfrutamos. Porém, devemos continuar a colocar likes em todo o lado (sobretudo nas fotografias de comida, nos vídeos de animais que gostam muito dos donos ou de outros animais, nos postais de pores do sol e naquelas tiradas do simbolismo literário que, não sei por que carga de água, voltou agora com tudo, em plena era pós-moderna. Não há paciência mas não nos esqueçamos de que justamente a paciência é a maior virtude de um ensinante).  A isso chamam os psicopedagogos reforço positivo, a mais eficaz, pacificada e incontroversa estratégia de aprendizagem. (Hummmm…)

10 de junho de 2018

HOJE CHOVEU O DIA TODO

incendioÉ A ÚNICA MANEIRA DE NÃO OUVIR A SIRENE DOS BOMBEIROS.

Se o sol ousa brilhar por mais de uma hora, é sabido que vais ouvir o carro dos bombeiros a desactivar mais uma ignição.. Foi o que aconteceu ontem.
É facto que ainda não houve incêndios este ano. As condições de humidade não o têm permitido, graças aos Céus (e também aos "céus"). Porém, segundo informações fidedignas, tem havido uma média de meia centena de ignições por dia - ignições sem incêndios, o que denota a eficácia dos serviços de protecção. Pelo contrário, os grandes incêndios sem ignição conhecida atestam a ignorância, a burrice ou a cobardia de quem acredita nessa espécie de patranhas..
Há, certamente, incêndios que possam ser desencadeados sem a intervenção da mão humana. Esses são, naturalmente, de origem divina...

Alguém ouviu alguma entidade ligada ao poder afirmar peremptoriamente que se trata de fogo criminoso e de que vai mover mundos e fundos para enquadrar judicialmente os seus autores? Claro que não. Porque os grandes incêndios do ano passado, sem ignição, foram ateados por Deus. Ou por uma faíscota qualquer atirada lá de cima por Ele.

Não se preocupem com os incendiários de todos os matizes. Eles hão-de cozer um dia em banho-maria. Entretanto, gastem o que têm e o que não têm a limpar florestas e a pagar multas...

14 de maio de 2018

Mais uma imodesta contribuição para a pedodemagogia institucional

Há mais ou menos três anos comprei um relógio de parede numa loja de chineses, desses que custavam trezentos paus e agora custam 10 euros. Não sei bem se foi ter estranhado a mudança, se a diferença climática o perturbou, o certo é que o relógio apenas trabalhou uma semana. Na assunção de que dar horas é um dos trabalhos mais monótonos que se possam ter, e lançando mão dos meus conhecimentos de pedodemagogia, já que há longos anos me interesso por esta matéria, resolvi traçar uma estratégia motivadora, partindo da hipótese mais que possível de se tratar de um simples caso de preguiça.

Nesta conjuntura (“conjuntura” ainda não caiu em desuso? É que nunca mais a ouvi por aí…), abri-o com carinho, soprei-lhe ar morno, sequei-o com um pano macio, falei-lhe ao ouvido, prometi-lhe um telefone esperto, lembrei-lhe docemente a importância social da sua nobre missão, inseri nele um sopro de vontade e as mais caras pilhas do mercado. NADA. O tipo manteve-se calado e quieto por três anos, tempo suficiente para qualquer relógio chinês tirar uma licenciatura em cachaças com mestrado incluído e diploma de pendurar.

Ontem olhei, prostrado, para o meu falhanço pedagógico, assim personalizado objectificado naquele relógio e veio-me à ideia mudar de estratégia, afivelando uma atitude mais assertiva e musculada, a fim de rendibilizar os meus 10 euros e produzir um breakthrough sem precedentes na área da pedodemagogia oficial: dei-lhe dois tabefes e três piparotes (tudo científico, é claro). O gajo começou a trabalhar e nem precisei de lhe mudar a pilha. Trabalha há 24 horas e sem cansaço visível. Com isto, acabei de inventar uma outra ciência que espero venha a ser utilizada amiúde no futuro e não só em relógios chineses… A palavra é: PEDAGOGIA. Conheciam? Claro que não.

14 de abril de 2018

O Cadete Schweick na Revolução Encravada

thUIEFFNNBTinham decorrido já dois meses sobre a Revolução dos Cravos, quando Schweick foi convocado por um clarim para uma instrução noturna na Tapada. Nunca como então o Cadete Schweick se apercebera tão ruidosamente de como é lenta a mudança das instituições. Dois meses deveriam ser mais que suficientes para que a tropa já tivesse absorvido o programa das Forças Armadas, a Democracia plena, o fim da guerra, da instrução e das paradas. Tudo fazia supor que, depois daquela data amorosa, os campos de cravos ditariam todos os momentos da vida militar. As namoradas poderiam ir dormir nas casernas, haveria colchas de seda e baralhos de cartas sobre mesinhas de cabeceira em mogno. Os pratos de lata seriam substituídos por outros de porcelana finíssima, bordejados de flores, com cinco quinas no centro. O lato do vinho canforado seria agora uma taça de cristal, de pé mais alto que o tacão das beldades, por onde escorreria o deleitoso espumante nacional da Raposeira.

Às duas da madrugada estava tudo formado na parada, cantil, bornal e a velha mochila ensebada que já tinha duas comissões no ultramar e retornava sempre ao Puto, para acompanhar o próximo Asp Of Mil até às picadas de Moçambique ou da Guiné. Ombro armas ao Comandante da Companhia e o pelotão de Schweick, comandado pelo Tenente Valadino, deslizou ensonado até se perder no matagal.

Às três, Schweick já rastejava num rio de merda, algodão no nariz, a farda lodacenta, a cara maquilhada de tinta preta, granadas rebentando sobre as pontes, ouvidos a zunir, bala real sobre as cabeças, trinchando os arbustos da outra margem.

Colado ao lodo, cansado do interminável rastejar, Schweick alçou o rabo um pouco, até quase à linha do fogo e ouviu o grito rouco de um sargento miliciano “ Baixe o rabo, camarada, ou quer ser derretido com uma rajada? Parece parvo o Amélia!” Acto contínuo, um silvo quase imperceptível picou-o no cu como uma melga gigante. Outro silvo, outra picada no traseiro. Levou a mão enlameada à nádega e apalpou um líquido quente e espesso. Sangue. Cheirou a mão. Era sangue.

Logo agora que se abria um novo mundo cheio de promessas e de algumas verdades, que tinham acabado em definitivo os pesadelos que vinha sofrendo desde 61. Logo agora, no início do renascimento, o Cadete de Abril, que passara a madrugada de 24 para 25 ao relento, formado num pelotão de faz-de-conta por mais de quatro horas, ali numa travessa ao Largo do Carmo, com uma G3 descarregada entre os braços pendentes, ele, um cadete de Abril, ali a fazer número, elemento de rectaguarda de uma revolução que estava a acontecer ali perto, de cuja etiologia permanecia ignorante mas que supunha coisa grande e boa, ele, anónimo para o comando operacional mas famoso para si próprio, estava ali a esvair-se em sangue, na mais estúpida e inopinada morte que um herói poderia desejar. Grande galo.

Continuava vivo, no entanto. Arrastou-se até uma zona mais seca e voltou a apalpar o traseiro. Hum, praticamente seco. Que diabo o teria ferido? Carregou fundo, como à procura de um calibre 9 ou algo assim. Não. Eram duas picadas superficiais, praticamente indolores, armamento desconhecido da tropa, agulhas de tricotar, alfinetes de cabeça, zarabatanas, fisgas disparando arames, dispositivo extraterrestre, quem sabe!

De manhã, Schweick queixou-se a um camarada. O elemento olhou o traseiro de Schweick, introduziu dois dedos nos estranhíssimos buracos e, com Schweick mais acabrunhado do que quando, 30 anos depois, foi submetido a um toque rectal, recomendou a descida à enfermaria,

“Está aqui um corpo estranho, cadete. Está perto, vou remover. Caramba, é um chumbo de uma espingarda de pressão de ar! Alguém lhe deu um tiro de Flover na instrução,”

“Dois, dois tiros!” – disse o cadete – “Com um intervalo de alguns segundos.”

Como é que um herói de Abril, enfim, um semi-heroi de Abril, aprende a lidar com este novo item? Decerto, um tiro de HK21 seria honroso, embora um pouco mais doloroso. Um tiro de pressão de ar era demais.

“Vou-lhe pôr aqui um pouco de álcool e um penso. Recomendo-lhe ministrar mais algum álcool por via oral, umas cachaças, por exemplo. Amanhã estará bom”. “Obrigado, doutor”.

De facto, dia seguinte, Schweick já nem sentia sequer um leve ardor. Levantou-se e sentou-se e formou na parada e carregou a G3 e bebeu a cânfora do costume, na costumeira lata, e dormiu na sua enxerga e esqueceu os tiros, e teve o seu próprio pelotão que apresentou regularmente ao Comandante de Companhia, e esqueceu a cama de dossel com criado-mudo em mogno e esqueceu a visita da namorada ao quartel e esqueceu, sobretudo, a revolução dos cravos, para ele eternamente uma revolução encravada…

Mas quem diabo teria ousado expedir uma chumbada de matar pardais a um cadete de Abril? Quem?

Ah, Schweick! Ah, portugueses!